domingo, janeiro 02, 2011

Resoluções?

Contrariando todos os protocolos, posso dizer que foi uma passagem de ano diferente das últimas.
Não usei branco, não pulei ondas, não comi porco, não comi uvas (mas bebi, ha-ha), não fiz pedidos e não passei a noite em claro até ver o sol nascer.

Então coloquei um vestido bem colorido (para os meus padrões, claro), e despretensiosamente, fui deixando rolar sem me preocupar com horários, superstições e simpatias. A única coisa que fiz foi tomar champagne, mas quem me conhece sabe que não preciso de reveillon pra tomar champagne. Rá.

É um pouco estranho porque como não fiz nenhum "rito de passagem", hoje acordei com a sensação de que so fui em mais uma festinha divertida.
E acho que é assim que tem que ser porque na verdade só porque é um novo ano, não quer dizer que obrigatoriamente as pessoas precisem se sentir diferentes, certo?
Sim, porque não precisa ser ano novo pra que sejam tomadas decisões, e feitas resoluções. Essas coisas a gente pode fazer, e faz!, todos os dias.

Na verdade, de tudo pra mim o que importa hoje, é que nas últimas semanas, estive com pessoas que eu espero que fiquem na minha vida pra sempre. É clichê, mas é verdade: a familia e os amigos são tudo nessa vida. :) 

E daí que resolvi adotar uma nova forma de ver as coisas, (E apesar de parecer, isso não é uma resolução de ano novo. Isso já foi decidido há umas 2 ou 3 semanas...) Mas guardo pra mim porque também não interessa né? Tem coisas que é melhor que não sejam jogadas no vento. Deixa que o Universo sozinho dá conta. :)


"Pare de esperar até que você se forme, até que você volte a estudar. Até que você perca 10 quilos, até que você ganhe 10 quilos, até que você tenha filhos, até que seus filhos saiam de casa, até você começar a trabalhar, até você se aposentar, até você se casar, até você se divorciar, até Sexta a noite, até Domingo de manha, até você comprar um carro novo ou uma casa nova, até você ter pago o carro novo ou a casa nova, até a primavera, até o verão, até o outono, até o inverno, até você sair do seguro-desemprego, até o primeiro ou o décimo-quinto, até a sua música tocar, até você ter bebido, até você ter ficado sóbrio de novo, até você morrer, até que você nasça de novo e decida que não existe melhor hora do que agora mesmo para ser feliz...

A felicidade é uma viagem e não um destino."